Bem vindo

Olá,
neste espaço compartilharei minhas ideias, minhas propostas, um pouco da minha vida com vocês e diálogos sobre temas afetos a minha militância nos movimentos populares e sociais. Espero que gostem e nos ajudem na caminhada.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Pelo Direito à Cidade

O Direito à Cidade é parte dos Direitos Humanos desejado pelas pessoas, mas que nunca chega a casa delas no tempo de sua necessidade. O Professor Dauri já assumiu perante a população Cariaciquense a luta pela sustentabilidade urbana, contra a desigualdade e a injustiça social em nossa cidade. A cidade deve garantir os direitos de todos os seus moradores e moradoras, especialmente das mulheres, crianças, jovens, idosos, negros e pessoas com de deficiência.

A cidade que queremos deve respeitar e garantir o direito à moradia, ao saneamento ambiental, à infra- estrutura urbana, ao transporte, à saúde, à educação, à cultura, aos serviços públicos, ao trabalho e ao lazer, para as presentes e futuras gerações. Isso só possível com o envolvimento de pessoas comprometidas com uma política urbana articulada com estratégias de inclusão social e de justiça ambiental.

Reserva Biológica de Duas Bocas - Cariacica
Nos últimos 34 anos da vida do Professor Dauri essas bandeiras de lutas são tratadas como prioritária. Na nossa Cidade, inclui-se ao entendimento de cidade o território urbano e rural. É impossível analisar e propormos políticas públicas e não considerar que 54,32% do nosso município e zona rural e que temos 23,4% do território municipal como área de preservação, inclui-se aí a Reserva Biológica de Duas Bocas – REBIO Duas Bocas.

A nossa cidade, portanto é compacta em sua área urbana que está dividida em 100 bairros(Lei nº. 4.772, de 23 de abril de 2010, lei do POT – Plano de Ordenamento Territorial). Daí conclui-se que por menor que seja o valor investido para suprimir quaisquer das políticas demandadas terá ampla resolutividade e grande alcance demográfico. No entanto, necessário se torna o comprometimento de agentes políticos com leitura integral e sistêmica sobre as funções de cada território.

sábado, 28 de julho de 2012

O verdadeiro papel de um vereador

Companheiros,
é preocupante e, as vezes, revoltante a forma que algumas candidaturas a vereador se apresentam. É preciso compreender e ajudar a divulgar o papel do legislador municipal, pois um povo mais consciente é capaz de escolher melhor, fiscalizar os mandatos e receber melhores serviços das prefeituras municipais. Com este objetivo, divulgo este material e peço que todos leiam, e divulguem.
Obrigado.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Meio ambiente

Achei um texto muito interessante sobre o debate ambiental e gostaria de compartilhar com você, meus leitores.

OS GOVERNOS LOCAIS

A máxima “pensar globalmente e agir localmente” se tornou discurso comum quando se discute meio ambiente. No caso da agenda de mudanças climáticas não é diferente. Embora políticas e diretrizes nacionais e internacionais sejam extremamente necessárias e essenciais para a mitigação e a adaptação ao fenômeno, a questão não dispensa um tratamento localizado.

O local articulado globalmente

As cidades são responsáveis por 75% do consumo mundial de energia e por 80% das emissões de Gás do Efeito Estufa. Por esse motivo, a ação por parte dos governos locais torna-se urgente. A boa notícia é que já existem iniciativas em todo o mundo dando o exemplo de que “pensar global e agir local” é cada vez mais necessário. Convém ressaltar que a ação em nível local também está mais próxima ao cidadão, fazendo com que ele se sinta tanto parte do problema como também da solução. Nesse sentido, também é importante destacar que os governos subnacionais devem estar atentos não apenas às ações que redução a emissão de GEE, mas principalmente para a adaptação aos fenômenos climáticos que podem afetar as cidades. Para isso, eles estão formando redes de troca de experiência e criando legislações inovadoras a exemplo do que vem acontecendo em um grupo chamado de Cidades do Grupo de Liderança em Clima que reúne prefeitos das 40 maiores cidades do mundo (C-40). No Brasil, estados como São Paulo, Bahia, Rio Grande do Sul tem se destacado. Em nível internacional, os Estados Unidos abrigam uma série de cidades que também já dão exemplo. Diversas cidades européias também fazem parte desse movimento e algumas estão promovendo uma verdadeira revolução na área de energias renováveis, por exemplo.

Também é necessário conhecer sobre o trabalho desenvolvido pelo Iclei – Governos pela Sustentabilidade em todo o mundo por meio de campanhas e movimentos. Para essa mobilização foram desenvolvidas ferramentas que vão desde o programa Cidades pela Proteção do Clima (CCP) a campanhas de orientação para compras sustentáveis. O iclei trabalha com duas vertentes: a primeira é a liderança política, o papel do representante de governo; a outra é a técnica, um funcionário do Estado que responde pela implementação da parte técnica e que não dependa dos mandatos.

http://www.mudancasclimaticas.andi.org.br/node/163

sábado, 21 de julho de 2012

Lei de acesso a informação

Eu na 1ª Conferência Municipal sobre Transparência e Controle Social
Com o objetivo de apresentar diretrizes que subsidiem a elaboração de um Plano de Transparência e Controle Social para os órgãos que compõem a administração pública, a Prefeitura Municipal de Cariacica promoveu nos dias 4 e 5 de novembro de 2011 a 1ª Conferência Municipal sobre Transparência e Controle Social (COMUSOCIAL), no auditório do Sest/Senat, em Alto Lage.
A proposta de implantação e implementação de ouvidoria Municipal apresentada pela FAMOC e, defendida por mim dentro do grupo de trabalho do Eixo II, foi aprovada.  Esta diretriz, associada ao projeto de lei complementar (PLC) 41/2010, que dispõe sobre a regulamentação do inciso XXXIII, do artigo 5º da Constituição Federal de 88 irá contribuir muito para o Controle Social. Afinal, não é raro encontrar por aí, agentes públicos administrando o patrimônio de todos com "senha" particular.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Para que saúde?

Como forma de aprofundar nos temas da campanha, gostaria de escrever alguma coisa sobre a saúde. Este texto é mais que um registro das nossas ideias, mas um resgate histórico de alguns acontecimentos recentes da história de Cariacica e do bairro Santa Bárbara. Leiam com carinho.

14ª Conferência Nacional de Saúde - Brasília
Desde 1994 quando participei de um curso de Saúde do Trabalhador pela FUNDACENTRO tomei gosto e me dedico em debater o SUS em Cariacica, no Espírito Santo e no Brasil.

Entre 30 de novembro e 4 de dezembro de 2011 aconteceu em Brasília a 14ª Conferência Nacional de Saúde e estive presente – também na 12ª(2007) e na 13ª.(2011) - e fui eleito Coordenador da Delegação do Espírito Santo com 63 delegados e delegadas.
Unidade de saúde de Santa Bárbara atualmente em uso.

Organizei e participei da 1ª Conferência Regional, Estadual e Nacional de Saúde Ambiental em 2009 na Capital Federal.

Em Cariacica o sou conselheiro licenciado do Conselho Municipal de Saúde e acompanho desde 2001 a política municipal de saúde. Antes de me licenciar do mandato coordenei a Comissão de Fiscalização.

No bairro onde moro, Santa Bárbara, a Unidade de Saúde foi fechada em 1999, pois pessoas moravam nela, e reaberta em 2002 pelo Prefeito Cabo Camata, devido a pressão popular. Os usuários do SUS organizados pelas lideranças locais - assessoradas por mim, graças a minha experiência no Controle Social da Saúde - foram convocados a sair em passeata no dia 10 de julho de 2001 às 8h da manhã desde Santa Bárbara até o prédio da Prefeitura Municipal de Cariacica. Em 2002 eu já “brigava” dentro do Conselho Municipal de Saúde para melhorar as condições do Posto de Saúde de Santa Bárbara, até conseguir, em 2004, incluir a Unidade numa lista de prioridades dentro de um convênio do Município com o Governo Federal. No entanto, os R$ 140.000,00(cento e quarenta mil reais) não foram liberados por Brasília pela falta de projeto.

Futura unidade de Saúde de Santa Bárbara, em construção.
Em 2011 a Prefeitura de Cariacica celebrou convênio com o Governo Estadual para construir 5 NESF(Núcleo de Estratégia de Saúde da Família) e com muito esforço conseguimos(Professor Dauri e demais lideranças de bairros vizinhos) incluir Santa Bárbara entre os bairros para receber a nova Unidade de Saúde, um investimento de mais de um milhão de reais.

Estas conquistas podem ser ampliadas com a minha presença na Câmara Municipal. Não somente para o bairro Santa Bárbara, como também para toda cidade, por isso conto com você.

No dia 07 de outubro, Professor Dauri, 13580!

terça-feira, 17 de julho de 2012

Eu na juventude

Olá,
achei uma foto minha aos 19 anos quando atuava na Comissão Pastoral da Terra.
Para acompanhar, uma citação:
"Tenho um 'medo que me pela' da geração que se acha treinada para ler nas entrelinhas e pensa poder decifrar as intenções dos discursos oficiais."(Wladimir Pomar)

Voto não tem preço, tem consequência

Caros leitores, desculpem pela ausência de ontem, mas estamos de volta.

Na rotina atribulada do dia a dia e na alta concorrência do mercado de trabalho, estamos cada vez mais investindo em nosso desenvolvimento pessoal e na capacitação profissional. E de que forma investimos nosso tempo ou nos envolvemos para a busca da melhoria na qualidade de vida de nossa comunidade, bairro, cidade? Mudar, o que não nos satisfaz, somente é possível com ação, e na política isso ainda é mais importante. 
Depois de cursar economia e gestão estratégica, busquei a graduação em ciência política, motivado pela rica discussão sobre o assunto, até mesmo entre as pessoas que se dizem desinteressadas, mas que sempre tem uma opinião para dar. A política está presente na vida das pessoas diariamente, inclusive para aqueles que acreditam que não se envolvem com o tema. Entender a importância da participação e o poder de transformação social existente na ação de participar de forma correta é fundamental. Discutir a política em todos os níveis da sociedade é o desafio, levar esta discussão para dentro da casa de todos é o objetivo e criar uma nova cultura política para uma nova geração é a estratégia.
2012 teremos eleições municipais, que maravilha de oportunidade! Escolheremos prefeitos e vereadores; que em minha opinião é a primeira classe de políticos; explico melhor; são os políticos com o maior poder de influência na relação eleitor e o estado; são os que estão mais perto do cidadão e por consequência podem e certamente tem o dever de atender as suas necessidades de forma rápida, objetiva e profissional, quando não de forma até customizada, única, individual. 
Quando me refiro a grande oportunidade que teremos agora em 2012 é simplesmente porque nós eleitores podemos fazer a diferença - vale ressaltar que somos os únicos com esse poder - na qualidade da representatividade política que temos hoje. 
Talvez eu não consiga muitas vozes contrárias a afirmação que o povo brasileiro, em sua maioria, não está satisfeito com a qualidade dos serviços prestados por seus representantes políticos, em qualquer esfera de governo; federal, estadual ou municipal. Mas o interessante é perceber que temos que "dar a mão à palmatória" porque não podemos responsabilizar ninguém, a falha é nossa!
Isso mesmo, nós erramos em dar a permissão de sermos representados por pessoas que não conseguem atender as demandas que temos, não estão preparados para isso e nós não conseguimos sequer nos lembrar em quem votamos na última eleição e se 1 em cada 10 conseguem saber em quem votou, certamente não conseguirá responder se o seu representante atendeu as suas expectativas e por quê.
A baixa participação política, o desinteresse popular pela política, esta aversão quase que unânime (que por sorte está mudando) é o nosso câncer. Uma pesquisa da AMB - Associação dos Magistrados do Brasil e do Instituto Vox Populi identificou que 12% dos eleitores não acreditam que o povo não é o principal beneficiário da política e 1/3 não votaria se o voto não fosse obrigatório.
Como isso é preocupante, a alienação não resolve os problemas, nem na política e tão pouco na vida. Somos uma democracia muito jovem, ainda estamos aprendendo a navegar nestas águas, para nós inóspitas, porém isso não pode ser a desculpa para a ignorância política, que de todas é a mais perigosa, visto que você será influenciado pela decisão da maioria, mesmo que não queira participar.
Prezados eleitores, busquem seus novos representantes como se estivessem contratando o mais importante assessor para suas atividades, certamente vocês não o faria sem o mínimo de cuidado e atenção. Então, por que fariam isso com seus representantes políticos? 
Empresários e líderes, influenciem positivamente a sua comunidade, multipliquem conceitos de cidadania através da busca da excelência de seus colaboradores. Não aceitem, nas suas empresas e equipes, a presença do analfabetismo democrático. A mudança política é o motor da transformação do estado. 
Em tempo, lembrem-se: VOTO NÃO TEM PREÇO, TEM CONSEQUÊNCIA! 
Alexandre Gouveia - cientista político, consultor, professor e palestrante.

sábado, 14 de julho de 2012

Ao mestre com carinho

Publico uma charge que alguns já conhecem, mas que sempre me referencio pois tenho muito carinho por ela.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Elefante e Agente Político de Carreira


Se alimentar é preciso ou necessário?


enquanto os homens exercem seus podres poderes
morrer e matar de fome, de raiva e de sede
são tantas vezes gestos naturais”
Caetano Veloso


O que move o agente político?
O interesse que leva uma manada de elefantes, que é gigante se deslocar do centro à savana africana, e o que leva um Agente Político de Carreira que se acha gigante a deslocar-se do seu berço(cargo que ocupa) até o poder periférico - forte, porém dividido na defesa da classe popular trabalhadora - é o mesmo, o alimento, ou generalizando a vontade de comer. Todavia, por interesses opostos, visto que o primeiro vive o coletivo e o segundo o pessoal.
Os elefantes porque precisam se manter minimamente alimentados até a próxima estação, e o Agente Político de Carreira pela necessidade de buscar a manutenção da sua significância no poder(alimento com sobra) que exerce ou amplia-lo, já pensando na(s) próxima(s) eleição(ões).
Às vésperas do próximo processo eleitoral a nossa linha de reflexão recai sobre o Agente Político de Carreira, pois precisamos estabelecer o pensamento coletivo se almejamos a defesa da Classe, visto que com os elefantes só temos contato quando vamos ao zoológico, logo poderemos interagir qualquer hora. E lembremos, eles são não “agridem” as pessoas.
Num país marcado por desigualdades profundas e regido pelo Estado Democrático de Direito é preciso tratar com detalhes a escolha pelo – de acordo com a Constituição Federal/1988 -necessitado Agente Político de Carreira. Imaginem que se não atuarmos assim outros interessados farão as suas escolhas por Agente Político de Carreira, decidindo por alguns que não se identificam com o pensamento coletivo.
No final de cada processo eleitoral – 6 de julho de 2012 aconteceu a largada – poderemos alcançar o resultado do pensamento coletivo ou receber o(a) indesejável Agente Político de Carreira. Ainda assim, só saberemos se alimentar é preciso ou necessário na próxima estação, se houver elefantes, ou na próxima eleição se o Agente Político de Carreira não for extinto.

Trajetória atual

Conforme prometido, finalizo hoje minha biografia.
Em 2003 fui eleito Presidente da Federação das Associações de Moradores de Cariacica cumprindo esse mandato, e nesse momento ocupo o cargo de Secretário de Formação na FAMOC. Minha inserção no Movimento Popular resultou da leitura que tenho sobre complexidades, afinal sempre considerei inadmissível “brigar” pelos direitos dos(as) trabalhadores(as) e renunciar os direitos fundamentais garantidos num calhamaço de papel, todavia imperceptível no cotidiano da classe trabalhadora em seus espaços vividos.
Desempenhei de forma tão qualificada o meu compromisso que ganhei projeção estadual e sendo convidado, em 2009, a integrar a chapa da Federação das Associações de Moradores e Movimentos Populares do Espírito Santo – FAMOPES. Eleita a chapa assumi a Coordenação Administrativa com mandato até 2012.

Atuo desde 2003 em debates, seminários, plenárias, conferências, conselhos e em outros espaços de formulação, proposição e fiscalização de políticas públicas, entre outros: saúde; meio ambiente e energia; educação profissional; ciência, inovação e tecnologia; habitação; infraestrutura; mobilidade urbana, e; uso e ocupação de solo.

Espaços (con)temporâneos:
  • Titular no Conselho Metropolitano de Desenvolvimento da Grande Vitória – COMDEVIT, representando a Sociedade Civil(FAMOPES);
  • Titular no Conselho Estadual das Cidades do Espírito Santo – CONECIDADES-ES, representando os Movimentos Populares(FAMOPES);
  • Integra o Fórum Capixaba de Mudanças Climáticas – FCMC, representando a Sociedade Civil(FAMOPES);
  • Titular no Conselho Municipal do Plano Diretor de Cariacica – CMPDC, representando as Associações de Moradores(FAMOC);
  • Titular no Conselho Municipal de Saúde de Cariacica – CMSC, representando os Usuários(FAMOC);
  • Suplente no Conselho do Orçamento Participativo – COP em Cariacica, representando os Moradores(FAMOC).
Pela minha trajetória de luta e pela defesa que sempre fiz dos interesses sociais e populares, apresento-me como opção de voto para vereador de nossa amada Cariacica no dia 03 de outubro.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Salários dos Vereadores

Não se esqueça dos nomes que aparecem nesta matéria na hora de escolher seu voto. Veja a minha opinião sobre este assunto publicada na imprensa, nesta matéria do jornal A Tribuna de dezembro de 2011.

Desculpem a imagem ter ultrapassado os limites, mas é importante lembrar-se quem votou contra e quem votou a favor do aumento. Amanhã finalizo minha biografia.

E por falar em família...

Eu e meus netos curtindo o primeiro tempo do FlaxFlu

Já que eu falava a vocês sobre família, dei uma pausa na minha história para publicar a foto que ilustra este post. Nela podem-se ver eu (tricolor) e meus netos Miguel e Catariny (flamenguista) assistindo ao jogo vencido pelo Fluzão.
Saudações tricolores à todos.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Militância Ambiental

Usina Nuclear de Angra I - Angra dos Reis/RJ
Minha “militância” no movimento ambiental começou com a opção de trabalhar em Angra dos Reis. A cidade, cheia de atributos ambientais e economicamente fortalecida na pesca me levou a buscar formação inédita no Brasil, concluindo em 1985 o curso Técnico em Pesca – a primeira turma formada no Brasil em nível médio para esse ramo da economia, segundo registros da escola e da Superintendência de Desenvolvimento da Pesca (SUDEPE), precursora do Ministério de Pesca e Aquicultura.
Hiroshima Nunca Mais

Desenvolvi - com outras pessoas - a partir desse conhecimento e como colaborador vários projetos: cultura do mexilhão, ostreicultura, ranicultura e aquicultura entre o Rio de Janeiro e São Paulo. Fortaleci grupos produtivos em pesca em Niterói, Paraty e Ilha Grande(A. dos Reis), desenvolvendo junto as comunidades pesqueiras(Caiçaras) técnicas de manejo e aproveitamento do pescado em período de defeso. Já ambientalista, me opus ao Plano Nacional de Energia Nuclear, integrando-me ao Movimento Hiroshima Nunca Mais, que pautava o debate sobre matrizes energéticas limpas e renováveis em detrimento a proposta dos “generais”. Enfrentamentos “ferrenhos” decorreram, visto que estávamos em plena ditadura militar e com o agravante do enquadramento da Cidade como “área de segurança nacional”.

domingo, 8 de julho de 2012

Missionário na Comunidade Eclesial de Base

Mudança de Domicílio

Em 1980, retornei a Angra dos Reis onde havia morado em 74. Minha chegada a cidade ampliou e fortaleceu as amizades conquistadas no momento anterior. Me dediquei as ações nas Comunidades Eclesiais de Base, atuando na mobilização de jovens da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, o JUACRIS - Jovens Unidos no Amor de Cristo, junto com outras pessoas, entre elas, Maria do Carmo Aguiar, a Lia e josé Antônio Gomes.
Assumi, neste mesmo período um movimento de resistência na disputa de terra atuando junto a Comissão Pastoral da Terra em defesa dos pescadores e da população indígena do distrito de Brachuy. As ações eram contra as imobiliárias que ocupavam as terras para a construção de condomínios fechados, tornando a praia privativa.
Neste mesmo ano, iniciei a militância no recém fundado Partido dos Trabalhadores.

Do mercado ao movimento sindical

Sou professor por opção.
Na perspectiva de entrar no mercado de trabalho a partir de uma grande empresa, aceitei  orientação de meu pai e permaneci em Angra dos Reis-RJ(1981). Posteriormente, fui contratado por uma multinacional holandesa  da indústria naval (Estaleiro Verolme) como mecânico montador onde permaneci por 5 anos, porém sempre mantive meu vínculo com Cariacica pois, a cada duas semanas, eu voltava com saudade de meus pais e amigos.
Deputado Luiz Sérgio, companheiro no início da caminhada
Enquanto estava o Rio, iniciei minha atividade docente na educação profissional, através do convite do diretor  do Centro de Formação Profissional do Estaleiro Verolme que percebeu em mim habilidades e competências para compartilhar saberes. Era o ano de 1982 e os trabalhadores estavam insatisfeitos com a representação por parte do Sindicato dos Metalúrgicos. Isso motivou a mim e a outros companheiros como o ex-Ministro da Pesca Luiz Sérgio, e o atual presidente da Câmara Municipal de Angra, José Aguilar, a militar no movimento sindical.

Um pouco da minha história

Quem sou eu?

Vou começar a contar um pouco da minha história para os que seguem e visitam meu blog. Quero que conheçam minhas experiências e saibam quem sou eu nesta série de publicações que farei a partir de hoje.
Praça de Barra de São Francisco.
Nasci em 1962 na cidade de Barra de São Francisco, noroeste do ES, filho de lavradores que deixaram as dificuldades do campo para tentarem a vida na cidade de Cariacica. Aqui chegando eles reencontraram meus avós paternos (Pedro Teixeira, seu Pedro do açougue São Jorge e Maria Carvalho Teixeira) que anteriormente tinham deixado o campo e se instalado na Av. Expedito Garcia para desenvolverem atividades comerciais até meados dos anos 80.

De infância simples e base familiar pobre, conheci todas as dificuldades, todavia essas balizaram as atitudes e os comportamentos em defesa dos mais necessitados. Aos 15 anos, integrei um grupo de estudantes que pleiteavam melhorias no ensino fundamental e mais oportunidades de acesso ao ensino profissional. Ingressei no Senai em 1977 e conclui o curso de Mecânica Geral em 1979 com o estágio que fiz na Cia Vale do Rio Doce em Porto Velho, Cariacica.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Atuando no Conselho de Cidades

O professor Dauri e o Subsecretário Estadual de Desenvolvimento, Saneamento e Habitação Eduardo Calhau.
O Professor Dauri é vice-presidente do Conselho Estadual de Cidades (ConCidades) e na reunião do dia 04 de julho, presidiu os trabalhos do colegiado.
Reunião Ordinária do Concidades ocorrida em 04 de julho de 2012.

O que é o Concidades-ES?


O Conselho Estadual das Cidades do Estado do Espírito Santo, denominado ConCidades-ES, é um órgão colegiado que reúne representantes do poder público e da sociedade civil, de natureza permanente, caráter deliberativo e consultivo e compõe a estrutura da Secretaria de Saneamento, Habitação e Desenvolvimento Urbano – SEDURB
O ConCidades-ES tem por finalidade estudar, formular e propor diretrizes para o desenvolvimento urbano e, no que couber, ao desenvolvimento regional, com participação social e integração das políticas de:
  1. planejamento, ordenamento territorial, gestão do solo urbano,  
  2. habitação, 
  3. saneamento ambiental, 
  4. mobilidade e transporte urbano.
Ontem (04/07/2012) aprovamos: a) criação de facebook para o Concidades-ES; e b) criação de website. Na próxima segunda a secretaria executiva estará reunida com o pessoal da comunicação do governo estadual. A página ficará hospedada no sítio:  http://www.sedurb.es.gov.br